Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Produção Nacional Faz Bem

Apoiar a produção nacional nas diversas areas possibilita melhorar o nosso nível de vida, basta cada um de nós fazer a sua parte

Produção Nacional Faz Bem

Apoiar a produção nacional nas diversas areas possibilita melhorar o nosso nível de vida, basta cada um de nós fazer a sua parte

12.Ago.10

Sopas Portuguesas Graciete já facturam 2 milhões por ano

 

As Sopas da Graciete produz uma sopa líquida, refrigerada e totalmente confeccionada com base em receitas tradicionais portuguesas, sem corantes, conservantes ou intensificadores de sabor, utilizando apenas produtos hortícolas e azeite virgem. É um produto com validade compatível com as necessidades actuais de logística e distribuição e elaborado sempre por especialistas.

 

Foi com os dotes culinários da mãe e ingredientes frescos, de preferência alentejanos que três irmãos de Évora lançaram-se quase "por brincadeira", na produção de sopas embaladas, totalmente naturais, que estão a vingar em Portugal e Espanha.

 

 

Graciete Vieira, de 60 anos deixou um emprego fabril para abrir um restaurante com os filhos e, 10 anos depois, "embarcar" na "aventura" culinária das sopas frescas embaladas.

 

A ideia foi concretizada há seis anos e originou as Sopas Portuguesas ou Sopas da Graciete, presentes nos hipermercados de todo o país. A empresa gerida pelos irmãos Nuno, Cláudio e Vasco Vieira exporta recentemente também as suas sopas, para uma cadeia de hipermercados em Espanha.

 

 

Uma vez "apurados" os sabores e a confecção, "nasceram" as Sopas Portuguesas, elaboradas com "produtos frescos", de preferência oriundos do Alentejo.

 

"O que marca a diferença, se calhar, é mesmo a qualidade dos produtos", avança Vasco, referindo que, todos os dias, recebem vegetais frescos, que só compram fora, "em Espanha ou França", quando não há alternativa local.

 

 

A sopa embalada "não é pasteurizada" e não leva "aditivos ou conservantes", a qualidade dos vegetais é mesmo um imperativo. "Ao não ter aditivos, não conseguimos alterar o paladar dos vegetais", sublinhando que essa opção, permite confeccionar uma sopa "da mesma maneira que em casa".

O produto começou, desde o início, a ser escoado para a grande distribuição. Só que, à medida que as vendas cresceram a cozinha ficou pequena.

 

Este ano foi inaugurada uma fábrica própria, no Parque Industrial e Tecnológico de Évora. Onde trabalham 55 funcionários por turnos e nem sequer falta uma creche, para as 11 crianças do pessoal da "casa".

 

Por semana, contabiliza Vasco, são gastas "umas 15 toneladas de cenoura e de batata", sem contar com o "alho, cebola, grão, feijão, espinafres", e são gastos "mil litros" de azeite. As sopas são, depois, embaladas e arrefecidas, através de um processo de refrigeração desenvolvido pela empresa. Mas, para evitar o olhar da concorrência, é a única zona "secreta" da unidade fabril.

 

Com um volume de negócios próximo dos "dois milhões de euros em 2009, fruto de "um milhão de litros" de sopa fresca embalada. A empresa lançou este novos pratos refrigerados com o mesmo conceito e sem corantes, nem conservantes.

 

A Simões, Vieira e Pereira – Indústria Alimentar, Lda., desenvolve a sua actividade na produção de refeições, especializando-se na confecção de Sopas Portuguesas.

A sede social e instalações da empresa, sita no Monte da Graciete, EN 114 Km 182,5 Apartado 425, em Évora.

 

 

in DN Online; Montepio; Sopas Graciete

 

Saiba mais em:

http://www.sopasportuguesas.com/